DESTAQUES

NOTA DE REPÚDIO

O Sindsaúde Bahia repudia, mais uma vez, a decisão do governo do estado, através da Sesab, de propor a concessão do Instituto Couto Maia (hospital especializado em doenças infectocontagiosas), para a gestão de Parceria Público Privada (PPP). Com a modalidade, a nova unidade hospitalar, que deverá ser construída em Águas Claras, será administrada por uma empresa privada escolhida por meio de processo licitatório.

Para o Sindsaúde, a gestão por PPP é uma forma de privatização do SUS e contribui para a precarização das relações de trabalho. Outra preocupação do sindicato diz respeito ao tratamento que será dado aos funcionários da Sesab, uma vez que a gestão por PPP não incluí a mão de obra de servidor público.

A proposta de privatização é uma burla ao concurso como única forma de ingresso dos trabalhadores aos serviços públicos da Saúde, ferindo a Constituição Federal. O Sindsaúde-Ba continuará denunciando e se contrapondo a todas as modalidades de transferência de gestão na saúde do estado, buscando sempre o fortalecimento do SUS.

O Sindsaúde conclama os trabalhadores, as entidades representativas do setor saúde e a sociedade civil para uma mobilização contra mais essa tentativa de favorecimento do setor privado em detrimento do setor público. Para fortalecer a luta contra a PPP, o Sindsaúde debaterá o tema em reunião com os servidores da saúde na próxima sexta-feira (30), no Hospital Dom Rodrigo de Menezes, em Cajazeiras, às 10h, e no Hospital Couto Maia, às 14h.

Segundo edital da Sesab, o projeto de concessão do Instituto Couto Maia será apresentado pelo secretário, Jorge Solla, e a BM&FBOVESPA, durante sessão realizada na sede da Bovespa, em São Paulo, na manhã desta segunda-feira (26). No evento serão recebidas sugestões e críticas acerca desse projeto.

Compartilhe!

Deixe uma resposta