DESTAQUES

Os impactos da reforma da Previdência são discutidos em debate promovido pela deputada federal Alice Portugal

A presidente do Sindsaúde Ivanilda Brito, a vice-presidente Tereza Deiró e a vereadora de Salvador e diretora da entidade Aladilce Souza participaram do debate “Os impactos da reforma da Previdência”, promovido pelo mandato da deputada federal Alice Portugal (PC do B/BA) nesta quinta-feira (09/05), no Hotel Sol Barra.

Os debatedores do evento foram a deputada federal Jandira Feghali (PC do B/RJ), a supervisora técnica do Dieese Bahia, Ana Georgina Dias e o diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP), Antônio Augusto de Queiroz.

Durante o debate, os participantes esclareceram dúvidas sobre as principais mudanças da Proposta de Emenda Constitucional (PEC 06/2019) e os prejuízos que a reforma da Previdência vai trazer a vida do trabalhador. Também foram discutidas e traçadas estratégias de luta para barrar a nefasta proposta do governo federal.

A deputada federal Jandira Feghali destacou os malefícios da reforma, ressaltando que ela prejudicará ainda mais as mulheres. “Se a reforma da Previdência é ruim para os homens, é ainda pior para as mulheres, que têm menor acesso ao mercado de trabalho e recebe até 67,3% a menos do que os homens. “O governo quer que as mulheres morram sem se aposentarem”.

Além do fim do fim da aposentadoria por tempo de contribuição, a reforma da Previdência propõe a elevação da idade mínima de 60 para 62 anos para mulheres e a manutenção de 65 anos para os homens.

A supervisora do Dieese enfatizou que é uma falácia a ideia de que a reforma da previdência irá destravar a economia e gerar empregos. Na verdade, vai impactar de forma negativa a vida de todos os brasileiros.

Antônio Augusto, diretor do DIAP, ressaltou que o aumento do tempo de contribuição, como prevê a reforma da previdência do governo federal, é preocupante. Com a precarização do trabalho, depois da reforma trabalhista, para cada 12 meses, o trabalhador contribui, em média, por apenas 6 meses. “Vai demorar 50 anos de atividade para o trabalhador comprovar os 20 de contribuição”, destacou.

Para Ivanilda Brito, debates sobre a reforma da previdência são cada vez mais importantes e necessários para esclarecer a população. Ela destaca a importância da união de toda a sociedade para tentar barrar o projeto, que propõe mudanças perversas para os trabalhadores como tempo maior de contribuição, limitações de acesso aos benefícios integrais, possibilidade de congelamento dos proventos, entre outras medidas.

 

Compartilhe!

Os comentários estão encerrados.