DESTAQUES

Trabalhadores do Núcleo Regional de Saúde Leste exigem respeito e condições de trabalho!

Trabalhadores do Núcleo Regional de Saúde Leste (NCSL), que foram transferidos do prédio anexo da Secretaria de Saúde do Estado (Sesab) para o Museu de Ciências e Tecnologia em 2017, devido a danos estruturais sofridos após incêndio ocorrido em 2014, foram surpreendidos  na ultima sexta feira (7/12) com uma ordem da Casa Civil para saírem imediatamente do local. Eles foram transferidos para o  prédio onde funcionava a antiga Central de Regulação, localizado no Pau Miúdo, numa decisão abrupta e sem diálogo com a categoria.

Indignados com a medida, o sentimento dos servidores é de constrangimento e de que foram “despejados”. Os trabalhadores denunciaram a situação ao Sindsaúde, e, mobilizados, foram à Sesab nos dias 10 e 11 de dezembro, na tentativa de conseguir uma audiência com o secretário Fábio Vilas-Boas para pedirem explicações e se posicionarem contra a decisão arbitrária e desrespeitosa por parte do governo. A vice-presidente do Sindsaúde Tereza Deiró e o diretor Dijalma Rossi se reuniram com os assessores do governo que explicaram que o Museu de Ciência e Tecnologia está sendo desocupado porque passará por obras de reformas para a comemoração dos 40 anos do local.

Na terça-feira (11/12), os trabalhadores se reuniram novamente na Sesab com a presença do Sindsaúde e decidiram fazer uma visita de reconhecimento ao local “prometido” na Secretaria, no andar térreo do prédio incendiado, após as obras de reforma. O local é amplo, encontra-se recuperado estruturalmente, mas ainda sequer existe a licitação para colocação de divisórias, mobiliário, computadores, pontos de internet, dentre outras estruturas necessárias ao exercício das atividades desses profissionais. Entretanto, o assessor Nadson Falcão enfatizou que o novo espaço ficará pronto em três meses, garantindo as condições de trabalho adequadas e dignas. Ainda no dia 11/12, Tereza Deiró, que é membro do Conselho Estadual de Saúde denunciou a situação durante a reunião do órgão, solicitando providencias.

O Sindsaúde e os trabalhadores questionam se as instalações no prédio da antiga Central de Regulação oferecem as condições mínimas adequadas para os trabalhadores continuarem seus trabalhos sem prejuízos à população. E questionam porque o governo não concluiu o espaço destinado ao NRSL no prédio recuperado há meses atrás a fim de promover uma mudança para local definitivo, com condições dignas conforme acordado com o Sindsaúde e trabalhadores no movimento em 2017? Porque esse tratamento tão desrespeitoso mais uma vez aos trabalhadores do NRSL, que prestam serviços tão essenciais à população?

da situação de desrespeito, uma comissão de servidores  do NRSL entregará  um documento ao secretário da saúde  Fábio Vilas-Boas demonstrando que o prédio da antiga Central de Regulação  para onde estão sendo levados os trabalhadores necessita de reforma e readequação dos espaços.  Os servidores  esperam o bom senso do secretário no sentido de que o acordo feito quando houve a saída do NRSL para o Museu  seja cumprido!

Denuncia no Encontro de Vigilância em Saúde

 

Durante o Encontro de Vigilância em Saúde foi entregue um abaixo-assinado em solidariedade aos trabalhadores do NRSL, realizado na quinta-feira (13/12). Na oportunidade, a vice-presidente do Sindsaúde Tereza Deiró denunciou o caso e pediu solidariedade aos trabalhadores presentes no evento e ao governador Rui Costa e ao secretário Fábio Vilas-Boas.

“A Casa Civil, em uma atitude vertical, deu uma de terminação de que todos os trabalhadores tinham que sair do local de trabalho pra serem, mais uma vez, jogados num lugar onde eles não sabiam se tinham condições de recebê-los. Não é compreensível que depois de passar por todas as agruras  quando saíram do prédio sinistrado  e serem alocados temporariamente no museu, a fim de exercer suas atividades, os servidores do Núcleo se sentem totalmente desrespeitados. E pior sem saber como irão novamente se rearrumarem em outro local que ofereça as condições de trabalhar dignamente”, indaga a vice-presidente do Sindsaúde Tereza Deiró.

Compartilhe!

Os comentários estão encerrados.